segunda-feira, 29 de março de 2010

Teoria Atômica

O Átomo de Dalton (1803)

John Dalton foi o criador da primeira teoria atômica moderna na passagem do século XVIII para o século XIX. Em 1803, Dalton propôs a teoria do modelo atômico, onde o átomo é uma minúscula esfera maciça, impenetrável, indestrutível, indivisível e sem carga (carga neutra) e que todos os átomos de um mesmo elemento químico são idênticos. Seu modelo atômico foi chamado de modelo atômico da bola de bilhar. Para Dalton o átomo era um sistema contínuo. Apesar de um modelo simples, Dalton deu um grande passo na elaboração de um modelo atômico, pois foi o que instigou na busca por algumas respostas e proposição de futuros modelos. Modelo de Dalton: A matéria é constituída de diminutas partículas amontoadas como laranjas. Com base em estudos de outros cientistas anteriores a ele, John Dalton propôs um modelo de átomo onde pregava as seguintes idéias:
Toda matéria é composta por átomos; os átomos são indivisíveis; os átomos não se transformam uns nos outros; os átomos não podem ser criados nem destruídos; os elementos químicos são formados por átomos simples; os átomos de determinado elemento são identicos entre si em tamanho, forma, massa e demais propriedades; átomos de elementos diferentes são diferentes entre si; toda reação química consiste na união ou separação de átomos; átomos iguais entre si se afastam e átomos diferentes se atraem; substâncias compostas são formadas por átomos compostos (as atuais moléculas); átomos compostos são formados a partir de elementos diferentes, em uma relação numérica simples.


O Átomo de Thomsom (1898)

Thomsom derrubou a idéia de que o átomo era indivisível. Com os dados disponíveis na época, propôs um modelo mais coerente do que o de Dalton. Para Thomsom a massa do átomo era a massa das partículas positivas e as partículas neutras. Os elétrons não seriam levados em conta por serem muito leves. Ainda mais, ele dividiu o átomo em duas partes distintas: uma delas ele chamou de núcleo e neste núcleo existiam cargas positivas e as partículas neutras. Este núcleo era praticamente todo o volume do átomo. Uma outra parte do átomo era composta de elétrons (cargas negativas) que uniformemente distribuídos entre as positivas e neutras, garantiam o equilíbrio elétrico. Thomsom descobre os elétrons.


O Átomo de Rutherford (1911)

Este cientista sabia que o polônio e o rádio eram emissores naturais de partículas alfa. A partir dessas informações idealizou a sua famosa experiência tentando provar que Thomsom estava certo em suas idéias sobre o átomo. A experiência consistia em bombardear uma lâmina fina de ouro com as partículas alfa emitidas pelo polônio. Para conseguir um feixe de partículas alfa, foi utilizado um anteparo de chumbo, provido de uma fenda, de maneira que só passassem pelo chumbo as partículas que incidissem na fenda. Tomou cuidado de colocar atrás da lâmina de ouro, um outro anteparo tratado com sulfeto de zinco, que é uma substância que se ilumina quando uma partícula radioativa o atinge. Rutherford esperava que as partículas alfa atravessassem a lâmina de ouro quase sem desvios, se tudo desse certo à luz do modelo de Thomsom. Mas os desvios foram muito mais intensos do que se poderia supor e algumas até refletiam. Foi a partir desta experiência que Rutherford colocou para o meio científico as suas idéias. A idéia de Thomsom de que o átomo tem um núcleo com prótons e neutrons foi mantida, mas com modificações estruturais importantes. Propôs que os átomos seriam constituídos por um núcleo muito denso, carregado positivamente, onde se concentraria praticamente toda a massa. Ao redor desse centro positivo, ficariam os elétrons, distribuídos espaçadamente. Comparou seu modelo ao sistema solar, onde o Sol seria o núcleo, e os planetas, os elétrons.

Gabriella Furtado

2 comentários:

  1. Olha eu achei bem explicado,mas este texto entra em divergência com outra fonte de pesquisa,nesta outra fonte os feixes quase não refletiam,e a maioria dos feixes transpassaram a lamina de ouro.

    ResponderExcluir
  2. não me agradou muito fala mais da vida dos filosofos do que da teoria

    ResponderExcluir